UNIPAR - UM ESPAÇO PARA O SEU TALENTO

NOTÍCIA

Setembro Amarelo: Cursos promovem Simpósio de Prevenção ao Suicídio

Publicado em: 17/09/2018 às 15:00

Evento discute comportamento suicida, fatores de risco e fatores de proteção; um deles é o CVV - ligue 188

Profissionais de saúde falam sobre prevenção ao suicídio
A enfermeira da UPA, Jaine Tagliari, compartilha experiências
O psicólogo do Caps AD, Cristiano de Souza, fala sobre o uso de substâncias psicoativas e o comportamento suicida
O médico psiquiatra Dr. Eduardo Giacomini aponta fatores de risco
A coordenadora da divisão de saúde mental de Cascavel, Iara Bach da Costa, traz dados do município
O enfermeiro Danilo Ribeiro apresenta concepções teóricas sobre o suicídio na contemporaneidade
A psicóloga Geysa Apel fala sobre comportamento suicida e ajuda
O diretor da Unidade, professor Gelson Uecker, abre evento
O coordenador do curso de Biomedicina, Raphael Sahd, conduz cerimonial
Equipe do PAEE, que atuaram na organização e realização do evento, posam com paletsrantes

Setembro é um mês destinado a conscientizar a população sobre a importância de se ter um olhar de cuidado a si e ao outro. Considerado um problema social, o suicídio aparece entre as maiores causas de morte no mundo, por isso a relevância de diálogos sobre o assunto. Com o intuito de colaborar para mudar este quadro, os cursos da saúde da Universidade Paranaense – Unipar, Unidade de Cascavel, se reuniram para a promoção do 1º Simpósio de Prevenção ao Suicídio.

A ideia do evento surgiu no curso de Enfermagem, que criou uma cartilha informativa na disciplina de Saúde Mental e expandiu a proposta para os cursos de Biomedicina, Psicologia e Estética. O PAEE (Pronto Atendimento de Enfermagem Escola) também participou da realização. A parceria viabilizou uma rica programação, envolvendo profissionais da rede de assistência em saúde, médico psiquiatra e docentes da Universidade. Além de acadêmicos, outras pessoas da comunidade externa também prestigiaram a campanha.

Iniciando as discussões, a professora e psicóloga Geysa Apel falou sobre as ações de promoção de saúde mental com a população universitária, como medida de prevenção ao comportamento suicida (pensamentos, planos e tentativa de suicídio). O foco foi orientar os acadêmicos no manejo do comportamento suicida, refletir sobre o que leva o ser humano a cometer suicídio, como identificar e como ajudar.

O professor e enfermeiro Danilo Ribeiro foi quem encabeçou a proposta em sala de aula e também palestrou. Sua fala destacou as concepções teóricas sobre o suicídio na contemporaneidade, discutindo a necessidade de ações de prevenção, objetivando reduzir os índices de tentativas e de suicídios consumados.

Entre tantos tópicos apresentados, apontou o plano de cuidados, que inclui psicoterapia, psicofármacos, grupos operativos, grupos motivacionais e redes de apoio e proteção. Também informou sobre o Centro de Valorização da Vida, que presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção ao suicídio para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo e anonimato. Para isso, basta ligar 188 ou acessar o chat pelo site www.cvv.org.br.

Outra convidada foi a coordenadora da divisão de saúde mental de Cascavel, Iara Bach da Costa, que falou sobre a atenção ao comportamento suicida nos serviços de saúde e compartilhou dados sobre o fluxo de atendimento a esses indivíduos no município de Cascavel. Também da rede de saúde participou da mesa a enfermeira Jaine Tagliari, que compartilhou suas vivências sobre o atendimento aos indivíduos que tentaram suicídio nas unidades de pronto atendimento.

Atuante no Caps AD (Centro de Atenção Psicossocial) álcool e drogas, o psicólogo Cristiano de Souza apresentou possibilidades de intervenção e prevenção ao suicídio, apontando os fatores considerados de risco e enaltecendo a importância da escuta. Também explicou a relação entre o aumento do uso cada vez mais precoce de substâncias psicoativas e o aumento do risco de suicídio, e a relação da automutilação com a ideação suicida. “Pensar em prevenção é pensar nos fatores de risco e considerar a complexidade do tema”, afirmou.

Para abordar suas vivências clínicas diante do comportamento suicida, o evento trouxe o médico psiquiatra Eduardo Giacomini, que reforçou sobre os comportamentos de risco e citou alguns sentimentos instalados, como depressão, desespero, desesperança e desamparo. Também apresentou dados da OMS (Organização Mundial de Saúde), que representam uma morte a cada 40 segundos. Fica o alerta.

Redes sociais>