UNIPAR - UM ESPAÇO PARA O SEU TALENTO

 
OUVIDORIA TRABALHISTA

Acesso online:

Criar ou recuperar sua senha
NOTÍCIA

Festival de Ginástica Rítmica: Meninas brilham em espetáculo inspirado na cultura africana

Publicado em: 14/11/2017 às 17:04

No Teatro Unipar, ginastas das equipes de competição, equipes de treinamento e escolinha de competição demonstraram desenvoltura e leveza

Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Cenário, coreografia e figurino foram inspirados na cultura do continente africano
Técnica Caroline Bretas e acadêmicas que fazem parte do projeto com as ginastas
Familiares e outras pessoas da comunidade prestigiaram o espetáculo
Apresentação solo também foi destaque

O ano tem sido de muitas vitórias para as integrantes do Oficina de Ginástica, projeto de extensão do curso de Educação Física da Universidade Paranaense – Unipar, Unidade-Sede. E para comemorar, todas participaram do Festival de Primavera, evento anual promovido exatamente para isso.

‘Mistérios da África’ foi tema do Festival. No palco do Teatro Unipar, as ginastas – de 5 a 18 anos – esbanjaram graça e sincronia em coreografias inspiradas em ritmos africanos e figurinos coloridos. O cenário montado também ambientava os que assistiram, lembrando paisagens do continente africano.

O tema desse ano foi escolhido para homenagear o povo africano que tanto influenciou na formação culturas do Brasil, diz a técnica do projeto, professora Carolina Bretas. “Sabemos que sua importância na formação do povo brasileiro é expressiva no âmbito sociocultural, eis porque decidimos homenageá-los”. Nas performances, foram lembradas a capoeira, a religião (candomblé) e a culinária.

“Os africanos prezam muito a moral e acreditam até que esta é bem semelhante à religião. Acreditam também que o homem precisa respeitar a natureza, a vida e os outros homens para que não sejam punidos pelos espíritos com secas, enchentes, doenças, pestes e morte e seus ritos são realizados em locais determinados com orações comunitárias, danças e cantos”, comenta a professora, que, antes, trabalhou o tema com as meninas.

Segundo a professora, o Festival é importante também para as meninas exibirem, aos pais e outras pessoas da plateia, o que aprenderam até agora. “É um momento muito importante para nossas ginastas, pois levam os pais e familiares a se orgulharem diante do bom desempenho exibido”, declara.

Ela e suas auxiliares Lorena Crivelaro e Isabely Gelini e as acadêmicas que atuam no projeto, Fabiana Belezi, Michelly Dal Pai, Jaqueline Ferreira, Jéssica Lima, Nathieli Bonifácio, Giliane Santos, Letícia de Oliveira, coordenaram os trabalhos. A realização do Festival é do projeto Oficina de Ginástica, das equipes de Treinamento em Ginástica Rítmica da Unipar e da AGRU (Associação de Ginástica Rítmica de Umuarama). A primeira edição aconteceu em 2014 e, desde então, acontece no início da estação da primavera.

O projeto Oficina de Ginástica recebe cerca de cem meninas, de todas as classes sociais, para praticar ginástica rítmica (em 9/10).

Redes sociais