UNIPAR - UM ESPAÇO PARA O SEU TALENTO

 
OUVIDORIA TRABALHISTA

Acesso online:

Criar ou recuperar sua senha
NOTÍCIA

Jornada Acadêmica fala de História, Antiguidade e Interfaces

Publicado em: 14/11/2017 às 16:40

Evento reúne educação, cultura e arte; temas perpassam pela História do Egito, nativos americanos e reinos africanos

Cia de Teatro cria peça a partir de composição de Chico Buarque (1976)
Instrumental de Harpa encanta público
Egito é tema apresentado pelo docente Maurício Schneider
Acadêmicos e pós-graduandos apresentam trabalhos científicos
Acadêmicos e pós-graduandos apresentam trabalhos científicos
Professor Marcelo Rodrigues relaciona História e Filosofia
O coordenador do curso, professor Fausto Irschlinger, recepciona convidados
Mestre de cerimônia, professor Vladimir Medeiros
À frente, professor Edilson Marques, convidado para falar sobre reinos africanos

Sempre levando conhecimento e atualidades a seus alunos, a Universidade Paranaense – Unipar, Unidade de Cascavel, realizou neste semestre mais uma Jornada Acadêmica. O curso de História panejou com muitos detalhes a 18ª edição do evento, que trouxe como tema central ‘História, Antiguidade e Interfaces’.

Noite científica, noite cultural - apresentação de harpa com Rafael Deboleto, e palestras marcaram a edição. A Cia de Teatro Hierofânico abrilhantou a abertura da Jornada, com a peça ‘Mulheres da vida, mulheres do mundo’ – adaptação da música Mulheres de Atenas, de Chico Buarque.

A palestra inicial foi com o professor Maurício Schneider, que abordou a temática ‘Antiguidade oriental: interfaces entre História e Arqueologia – escavando o passado’. O foco foi promover a interação entre a História e as outras ciências, para o estudo da antiguidade. Permitir pensar como as descobertas arqueológicas ajudam a entender a História do Egito foi outro propósito da palestra. Um dos exemplos citados foi a última grande descoberta arqueológica no Egito, que traz informações sobre a época das pirâmides. O achado data de 2013, contudo, os resultados dos estudos foram divulgados em 2016.

Também com bastante notoriedade, o assunto ‘Nativos americanos: interfaces entre História e Antropologia’ foi conduzido pelo professor Jovane Gonçalves dos Santos. Segundo ele, existem estudiosos que trazem o povo indígena para a Antropologia e esse é apenas um objeto de estudo dessa ciência. “A Antropologia não só se caracteriza por ter um objeto bem definido, mas um olhar bem definido, uma forma de compreender o outro. E a intenção é apresentar o que é a Antropologia e como ela estabelece um diálogo com a História”.

Na semana, também discutiu-se ‘Reinos africanos: interfaces entre História e sociedade’, com Edilson Marques da Silva. Conforme fundamenta, é necessário entender para que servem os reinos e a organização social no campo da sobrevivência. Um ponto básico é compreender a etnia – composta por pessoas que têm uma língua, cultura e terra. “Cada uma se especializa em um tipo de mercado, mas para sobreviver precisa de outras etnias, e isso constitui um reino”, explica.

Nesta vertente de troca de conhecimentos, ‘Antiguidade ocidental: interfaces entre História e Filosofia – a invenção da razão’ foi mais um tema em questão, apresentado pelo professor Marcelo Guerreiro Rodrigues.

Redes sociais