UNIPAR - UM ESPAÇO PARA O SEU TALENTO

NOTÍCIA

Arte e cultura: Bruxas invadem o palco no espetáculo do ano do Pitoresco

Publicado em: 14/11/2019 às 16:00

Peça atraiu cerca de 500 pessoas, entre elas muitas crianças

Fernanda Sandri, que fez a bruxinha Ângela
Fernanda Sandri, que fez a bruxinha Ângela
Fernanda Sandri, que fez a bruxinha Ângela
Fernanda Sandri, que fez a bruxinha Ângela
Fernanda Sandri, que fez a bruxinha Ângela
Cristiano Silva, que fez o bruxo vilão
Cristiano Silva, que fez o bruxo vilão
Cristiano Silva, que fez o bruxo vilão
Cristiano Silva, que fez o bruxo vilão
Bem bolado: figurino chamou a atenção
Bem bolado: figurino chamou a atenção
Bem bolado: figurino chamou a atenção
Bem bolado: figurino chamou a atenção
Vassouras com brilho: capricho foi percebido também nos acessórios
Vassouras com brilho: capricho foi percebido também nos acessórios
Vassouras com brilho: capricho foi percebido também nos acessórios
A iluminação alternando cores e o conjunto de sons apavorantes incrementaram a peça
A iluminação alternando cores e o conjunto de sons apavorantes incrementaram a peça
A iluminação alternando cores e o conjunto de sons apavorantes incrementaram a peça
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Pitoresco Grupo de Teatro Unipar em cena com ‘A bruxinha que era boa’
Os 7 Anões fizeram parte da história
Os 7 Anões fizeram parte da história
Os 7 Anões fizeram parte da história
Cerca de 500 pessoas assistiram à peça
Cerca de 500 pessoas assistiram à peça
Cerca de 500 pessoas assistiram à peça
Grupo Pitoresco: união de ideias e muita dedicação aos ensaios para fazer bonito no palco
Grupo Pitoresco: união de ideias e muita dedicação aos ensaios para fazer bonito no palco

Crianças e adultos se divertiram assistindo à peça ‘A bruxinha que era boa’, do Pitoresco Grupo de Teatro Unipar, um dos projetos de arte e cultura da Universidade Paranaense de Umuarama. A encenação aconteceu no Centro Cultural Vera Schubert, com um público de aproximadamente 500 pessoas.

A adaptação da obra de Maria Clara Machado ganhou contornos sofisticados: vestuário, iluminação, sonoplastia, cenário e maquiagem, tudo muito bem elaborado pelos atores, orientados pelo diretor, ator Luiz Fernando Guarnieri.

A atuação também foi muito boa! As gargalhadas estridentes das bruxas da ‘escola das maldades’ no palco arrancavam risadas espontâneas na plateia. E teve muitos ‘oooh!’ para a delicada bruxinha boa, que acabou sendo presa na torre de piche.

A história, que nos alerta para o ‘nunca julgar uma pessoa sem antes conhecê-la’, tem também no protagonismo um ‘terrível bruxo’, entre outros maus e bons personagens. Ah, os sete anões, dos irmãos Grimm, também apareceram e ajudaram a colorir mais a história.

“Alcançamos os objetivos com um bom texto, um bom desempenho e um público original, sincero, que são as crianças; foram momentos emocionantes”, exclama Guarnieri, comemorando o sucesso do trabalho, desenvolvido em meses de ensaio.

Em sua avaliação, diz que “a receptividade calorosa do público” motivou os atores a darem o seu melhor, no palco. “O público nos recepcionou de uma forma incrível! Isso, somado ao jogo de luzes, à sonoplastia bem elaborada, à magia do infantil e o talento dos atores, correspondeu às nossas expectativas”, afirma.

Fernanda Sandri, integrante do Pitoresco desde o ano passado, também deixou o palco cheia de orgulho: “A construção da personagem não foi tão complicada para mim, porque gosto muito desse lado mais inocente, sem maldade que a Ângela tem... Mas foi desafiador, sim, afinal foi minha primeira peça”.

Em relação à atuação, sua autoavaliação é franca. “Fui encantadora”, dispara a atriz. E acrescenta: “O melhor é que consegui dar conta do recado, mantendo durante os noventa minutos da peça a personalidade da bruxinha. Foi uma sensação muito gratificante... e de alívio também”.

“Uma experiência incrível” foi também a resposta do ator Cristiano Silva, que fez o bruxo vilão. “Consegui sentir o personagem na pele, com todos os sentimentos fortes que ele tinha que transmitir... Estou realizado e muito feliz!”. Ele e Fernanda fazem parte da trupe com apoio do Pibia (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Artística) da Unipar.

O figurino, elogiado pelo estilo, ficou por conta de Larissa Sgorlon; a sonoplastia, Karen Lessa; e a maquiagem, Maisa Trindade e Fernanda Sandri. Todas fazem parte do Pitoresco. Amador Alves, técnico do Centro Cultural Vera Shuber, colaborou na iluminação.

Sobre a obra

Maria Clara Machado coloriu a literatura e o teatro infantil no Brasil! Fundou o Tablado e escreveu quase 30 peças destinadas aos pequenos, entre elas “A bruxinha que era boa”. Ela não entende nada de feitiçaria e não tem uma enorme verruga no nariz, ao contrário, é linda e simpática e, o melhor, é cheia de boas intenções.

Não seria uma fada disfarçada? Não, pois fadas não gostam de voar em vassouras, e essa é a maior diversão de Ângela, uma bruxinha muito diferente de todas as outras que frequentam a famosa escola de maldades.

Histórico do Pitoresco

Nesses anos de caminhada artística, o Pitoresco Grupo de Teatro Unipar conquistou público e encabeçou obras famosas, como a construção da peça ‘Era uma vez - em busca da felicidade’; o clássico ‘O auto da barca do inferno’, do conceituado escritor português Gil Vicente [um dos textos mais traduzidos e executados em grupos de teatro no mundo]; o clássico teatral ‘Aurora da minha vida’, do renomado escritor brasileiro Naum Alvez de Souza; o romance policial ‘O caso dos Dez Negrinhos’, da ovacionada obra de Ágatha Christie. Durante todo ano, o grupo realiza diversas apresentações em entidades e escolas da região, e também produz e exibe, anualmente, a Mostra de Esquetes e a Mostra de Monólogos.

Sobre o Pitoresco

Coordenado pela Diretoria da Comunicação e Divulgação da Unipar, o Pitoresco é um dos vários projetos de arte e cultura da Universidade Paranaense. Coordenado pelo ator Luiz Fernando Guarnieri, reúne estudantes da Unipar e de escolas de Umuarama. Alguns são contemplados com o Pibia (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Artística). Para a formação do grupo do ano que vem, as inscrições serão em fevereiro. As aulas são gratuitas e abertas para a comunidade externa e interna da Unipar.

Redes sociais>

Horário de Atendimento

Seg. à sex. das 8h às 20h
Sab. das 8h às 12h