Publicada em: 21/11/2014 às 11:40

Paranavaí: Professor participa de curso de Imunohematologia Avançada

O encontro reuniu em torno de 80 participantes farmacêuticos bioquímicos, integrantes da Hemorede Paranaense

Professor Romir com as palestrantes Ana Lúcia Girello e Vânia Moreira

Professor Romir com as palestrantes Ana Lúcia Girello e Vânia Moreira

Na constância do ritmo contínuo para aprimoramento de conhecimentos, o professor Romir Rodrigues, do curso de Farmácia da Universidade Paranaense – Unipar, Unidade Paranavaí, participou do curso de Imunohematologia Avançada.

Realizado no período de 29 a 31 de outubro no Hotel Foz do Iguaçu, em Foz do Iguaçu/PR, o encontro reuniu em torno de 80 participantes farmacêuticos bioquímicos, integrantes da Hemorede Paranaense. Promovido pelo Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná (HEMEPAR), teve como âncora a biomédica Ana Lúcia Girello, mestre em Análises Clínicas, integrante da empresa Biolyne, professora de pós-graduação latu sensu no SENAC-SP e autora do livro “Fundamentos da Imunohematologia Eritrocitária”.

Entraram na pauta os temas: métodos acessórios e complementares em Imunohematologia, discrepâncias ABO e RH (D), identificação de Anticorpos Irregulares, Doença Hemolítica Perinatal (DHPN) e Anemias Hermolíticas Autoimunes (AHAI), entre outros.

“A imunohematologia estuda os antígenos presentes nos eritrócitos, através de reações imunológicas entre aglutinógenos e anticorpos, bem como identifica anticorpos correspondentes e suas discrepâncias sanguíneas, envolvidos em reações transfusionais, ocasionadas por aloanticorpos e/ou autoanticorpos”, explica o professor.

“Neste contexto, a tipagem para RH (D) tem especial importância na prevenção da doença hemolítica do recém-nascido, em que mães RH (D) negativas, durante a gestação ou por transfusão sangüínea, sensibilizam-se por exposição a hemácias RH (D) positivas, produzindo em conseqüência aglutininas anti-RH (D). Em gestações posteriores, estas aglutininas passam através da placenta para o feto. Se ele for RH (D) negativo, terá suas hemácias hemolisadas”, complementa.

Segundo ele, o encontro proporcionou aos participantes a aprendizagem e o aprofundamento de conhecimentos de teorias e práticas na área da imunohematologia, essenciais no desenvolvimento de atividades na hemoterapia e medicina transfusional. “Além da extrema importância na resolução das discrepâncias e reações transfusionais, possibilita transfusões sanguíneas com mais segurança e eficácia”, atenta.

O professor ainda ressalta que, além dos conhecimentos em Imunohematologia, a professora Vânia Moreira proporcionou momentos de reflexão com dinâmicas participativas e de integralidade do universo dos colaboradores: “Neste contexto, não adianta termos conhecimentos apuradíssimos se não há desenvolvimento pessoal e interações que nos proporcionem o engrandecimento como um todo”.

O evento teve a participação da empresa BioRad.

Publicada em: 21/11/2014 às 10:43

Umuarama: Unipar é representada em Jornada de Língua Portuguesa na Argentina

Professora Tatiane Sousa Machado participou e apresentou trabalho junto a pesquisadores de toda a América Latina

Professora aproveita a viagem para exercitar os conhecimentos gerais: ela visita diversos locais renomados de Córdoba, cidade que sediou o evento

Professora aproveita a viagem para exercitar os conhecimentos gerais: ela visita diversos locais renomados de Córdoba, cidade que sediou o evento

Para buscar mais conhecimento e se aprofundar em sua área de atuação, a docente Tatiane Sousa Machado, da Universidade Paranaense – Unipar, Unidade de Umuarama, participou da 2ª Jornada Internacional Descobrindo Culturas em Língua Portuguesa, realizada em Córdoba, na Argentina.

O evento reuniu diversos pesquisadores de vários países da América Latina; entre eles, muitos brasileiros. Durante a jornada foram discutidos a cultura e a interculturalidade, bem como o plurilinguismo.

Outro objetivo do evento foi refletir sobre o ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa, que é vasta e rica.Na oportunidade, a docente pôde apresentar os resultados da sua pesquisa de mestrado, que aborda "Rasuras ligadas à segmentação na escrita infantil", estudo que elucida os caminhos trilhados pela criança durante a aquisição da escrita.

“Participar de um evento desse porte é muito enriquecedor e importante e, mais relevante ainda, é representar a Unipar, que é reconhecida nacionalmente”, comenta a professora.

Publicada em: 20/11/2014 às 15:00

Cascavel: Jornada de Arquitetura e Engenharia Civil discute ‘diálogos projetuais’

Realizada em parceria, Semana acadêmica reúne palestras, minicursos, visitas técnicas e os concursos Charrete e APO

O engenheiro Gilberto Carbonari fala sobre fissuras nas edificações

O engenheiro Gilberto Carbonari fala sobre fissuras nas edificações

A parceria entre os cursos de graduação tem sido sucesso na Universidade Paranaense – Unipar. Um dos eventos realizado em conjunto foi a 13ª semana acadêmica do curso de Arquitetura e Urbanismo e 5ª de Engenharia Civil. Palestras, minicursos, visitas técnicas e os concursos Charrete e APO (Aparato de Proteção ao Ovo) envolveram as turmas.

O evento teve como tema principal ‘Diálogos projetuais sob os aspectos tecnológicos’. Para a abertura, contou com a presença do engenheiro de segurança do trabalho do Sinduscon (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Oeste do Paran), Agnaldo Mantovani, que trouxe para discussão o mercado de trabalho, com a temática ‘Engenharia e Arquitetura: Um mundo de oportunidades’.

Também foi especial a participação do engenheiro ambiental e territorial, o italiano Paolo Vispi, que palestrou com o engenheiro Rogério Mattos, de São Caetano, SP. O foco foi mostrar os resultados da parceria Brasil e Itália, contando um pouco da atuação nos dois países no campo de ‘Energias renováveis’, enfoque nas tecnologias fotovoltaica (solar), alternativas e desenvolvimento da energia renovável da Itália, projetos de qualidade e alta sustentabilidade.

O sócio proprietário do Cetec (Centro de Treinamento Profissional), Jucelino Gonçalves, abordou o tema ‘NR 35 - trabalhos em altura’. Explanou sobre os objetivos da normativa, responsabilidade do empresário e trabalhador, documentos relacionados á análise de risco e para trabalho em altura e uso de equipamentos individual e coletivo de segurança; discutiu-se ainda fator de queda acima de 1,10m – que tem risco de vida, e fator zona de queda livre. A equipe da Cetec também proporcionou aos estudantes a prática de atividades em altura, tirolesa e rapel.

Outra palestrante convidada foi a professora Fabíola Cordovil, da UEM (Universidade Estadual de Maringá), que falou sobre ‘Planejamento urbano e políticas públicas no Brasil’. A arquiteta fez um apanhado histórico da expansão urbana no país na década de 60 para 70, atentando para o fluxo de pessoas que foram para as cidades, ocasionando a mecanização do campo e o surgimento das favelas, periferias e problemas urbanos. Neste cenário, inclui-se habitação precária, grandes congestionamentos e deficiência no transporte público.

Também discorreu sobre a luta pela reforma urbana, que começa em 60, e fundação pelo governo militar de órgãos como BNH e Serfhau (Serviço Federal de Habitação e Urbanismo). Segundo Fabíola, só com a abertura política em 80 retomou-se a reforma pela urbanização, inserindo-se artigos no capítulo urbano na Constituição. “Apenas treze anos depois, em 2001, surge o Estatuto das Cidades, marco regulamentar”, afirmou. Sobre o Estatuto falou do plano diretor, ações recentes do governo para o enfrentamento dessas questões - lei de mobilidade, PAC, Minha casa, minha vida, entre outros tópicos.

Estudioso das ‘Manifestações patológicas em edificações’, o engenheiro civil Gilberto Carbonari, professor da UEL (Universidade Estadual de Londrina) abordou a temática focando aspectos preventivos. Carbonari provocou reflexão sobre como os profissionais devem pensar, projetar e executar para evitar fissuras, identificando o que está associado às patologias, os problemas da mão-de-obra e da não presença do profissional no dia a dia da obra, o que pode gerar futuros custos com manutenção e correção de patologias que poderão surgir, comprometendo a segurança e funcionalidade da edificação.

Publicada em: 20/11/2014 às 14:00

F Beltrão: Alunos de Direito participam de júri simulado no Fórum da Comarca

O evento contou com a presença de magistrados atuantes, que prestigiaram a atividade dos acadêmicos

Audiências realizadas com base em processos reais

Audiências realizadas com base em processos reais

O curso de Direito da Universidade Paranaense – Unipar, Unidade de Francisco Beltrão, desenvolveu atividade de júri simulado no Fórum da cidade. A ação faz parte das disciplinas de estágio supervisionado de processo civil, do trabalho e penal.

Durante o ano de prática, os acadêmicos desenvolvem atos processuais (petições, recursos e afins), próprios da atividade profissional de advogado.

Ao fim de cada ano, os professores Elizangela Mara Caponi (Processo civil), Liliane Gruhn (Processo do Trabalho) e Inezil Penna Marinho Júnior (Processo Penal) realizam suas atividades simuladas, consistindo em audiências cíveis, trabalhistas e júri simulado, com base em processos reais, onde os acadêmicos participam na condição de partes, advogados, Ministério Público e juízes.

Na terça-feira, 4, os acadêmicos do 5º ano, sob a coordenação do professor Inezil Penna Marinho Júnior, realizaram nas dependências do Fórum da Comarca de Francisco Beltrão, no Tribunal do Júri, atividade de júri simulado, onde puderam, os acadêmicos e convidados, presenciar o trabalho dos alunos no desenvolvimento de suas teses de acusação e defesa.

O evento contou com a presença de magistrados atuantes do Foro da Comarca, que prestigiaram a atividade dos acadêmicos.

Posteriormente, na sexta-feira, 7, foi a vez da disciplina de Processo do Trabalho, em que os acadêmicos de 4° ano, presididos pela professora Liliane, realizaram audiências de instrução e julgamento na sala do Tribunal do Júri da Unipar e puderam verificar a realidade da justiça trabalhista dentro da prática simulada.

Como encerramento das atividades, na segunda-feira, 10, os acadêmicos de 4º e 5º anos, na disciplina de Processo Civil, coordenados pela professora Elizangela, realizaram audiência simulada, contando com o prestígio e auxílio da juíza da Vara da Família, Infância e Juventude, Carina Daggios, que comandou com excelência o trabalho desenvolvido pelos acadêmicos, tornando a atividade acadêmica o mais próximo da realidade possível.

Publicada em: 20/11/2014 às 11:00

Cianorte: Projeto ‘Sustentabilidade e Alimentos Saudáveis’ empolga estudantes

Fazer comida boa e barata e criar objetos sustentáveis foi o desafio proposto para os alunos de Processos Gerenciais

Além de receitas baratas, acadêmicos desenvolveram objetos sustentáveis

Além de receitas baratas, acadêmicos desenvolveram objetos sustentáveis

Com o objetivo de levar o estudante a refletir sobre a importância do aguçamento do espírito empreendedor para quem quiser se inserir no ramo dos negócios, o curso de Processos Gerencias da Universidade Paranaense – Unipar, Unidade de Cianorte, promoveu atividade com a turma do segundo ano.

Seguindo propostas do projeto ‘Sustentabilidade e Alimentos Saudáveis’, os acadêmicos foram desafiados a criar receitas apetitosas e baratas, onde desenvolveriam o gerenciamento e análise de custos dos alimentos utilizados.

Numa outra ação, tiveram que criar objetos sustentáveis, com garrafas pets, e fazer produtos de limpeza. “As atividades demonstraram a importância da valorização financeira, do planejamento por meio da análise de custos e suas ações, explorando realmente a sustentabilidade do mercado econômico empresarial da atualidade”, pontua o professor Wagner Marques, coordenador do projeto.

Outro objetivo do projeto é motivar os estudantes a refletir e praticar o convívio socioambiental e empreendedor.